Dessas coisas que ouvimos e o coração sorri

janela

Semana passada conversando com um Amigo ouvi uma frase tão simples e tão carregada de amor  - aliás, simplicidade e amor parece que caminham de mãos dadas – que o efeito foi imediato em mim: alguém puxando as cortinas e me permitindo a visão de um amanhecer iluminado em substituição à escuridão do quarto onde dormia. Conversávamos sobre família e as muitas armadilhas que nos colocamos com relação a cada elemento familiar. No final da conversa, um pouco resignado pela impossibilidade de ser “super”, ele me confessou baixinho, num tom suave: “quero fazer da minha casa um lugar onde meus filhos possam chegar a qualquer hora e ao se despedirem, saiam mais tranqüilos do que quando entraram“.  Não dei muita atenção às tantas muitas expectativas a que ele teve que administrar para entender que o melhor que pode oferecer àqueles a quem ama é um espaço onde possam equilibrar a própria respiração. É…. será que tenho feito da minha vida uma esquina que à passagem das pessoas elas se sintam melhores em algum sentido?

Certamente a minha capacidade de amar não atingiu a plenitude desse estágio de generosidade afetiva. Alguns amei oferecendo instrumentos de vida que no meu entendimento eram imprescindíveis, mas que de nada significaram para quem os recebeu. Outros amei querendo coincidência de perspectivas, sem reverenciar o sentido respeitoso com que as individualidades se distinguem. A outros ofereci alívio imediato, roubando-lhes a oportunidade de conseguirem medicamentos mais adequados às dores cuja intensidade somente eles poderiam avaliar. Na maioria das vezes meu amor é aflito e urgente, age e discursa quando bastaria ouvir e indicar algumas direções para que o outro se manifestasse. Também existiram amores que não permaneceram frente às expectativas que atendidas seria eu a me desconhecer.

Amar talvez seja mesmo um olhar sereno e atencioso que conseguimos dirigir a uma outra vida. Sem esquecer que os olhos nos permitem apenas dispor das imagens, e que estas podem variar dependendo do ângulo e da luz do momento. Distinta e preservada, em essência, sempre permanecerá a vida amada…

Um Comentário até agora.

  1. Tania disse:

    Tão lindo, tão coerente. Mas saiba, minha querida, que sua casa, seu olhar e seu abraço, me fazem seguir mais tranquila, sempre. Presente da vida. Beijo