Eu Odeio o Orkut

Fico imaginando que se fosse rodado em Hollywood com um desses atores agarrados em fazer comédia, certamente seria um enorme sucesso de bilheteria. Mas estou falando de um filme rodado no município de Alvorada (21 km distante de Porto Alegre) com participação de moradores e com o patrocínio dos empresários e lojistas locais.

Tá bom, essa introdução tenta justificar a péssima qualidade do áudio e as tomadas que mais parecem aquelas que qualquer um consegue com os recursos de um celular bacana. Não preciso dizer, também, que alguns atores são impagáveis simplesmente porque são tudo, menos atores. Louvável a participação de Luana Piovani, Julio Rocha, Antonio Carlos Falcão e Jairo Mattos que atuaram sem receber cachê com o intuito de apoiar a iniciativa e, sobretudo, a determinação dos jovens diretores.

O filme é dirigido por Rodrigo Castelhano e Evandro Berlesi. Este último além de co-diretor foi o roteirista a partir do livro de mesmo nome escrito por ele, e também atua no filme. Na explicação dos diretores, a comédia foi rodada em Alvorada para amenizar a mídia negativa do município com relação ao índice de violência local.

Uma comédia que faz qualquer um rir tanto pelas soluções improvisadas de um orçamento praticamente inexistente, quanto pelas situações da história que se desenvolve a partir do confinamento de alguns dependentes virtuais numa clínica: CREDO – Centro de Reabilitação e Desintoxicação Orkutiana. Como um dos pacientes está à beira da morte, pede a um colega semi-analfabeto que escreva a sua vida, daí o “download de suas memórias contando como chegou ao offline do poço”.

Pronto! A partir daí é uma enxurrada de “sem noção”, ridículos, exageros, absurdos e todos os anti-elementos que causam uma profunda simpatia pelo filme e conseguem arrancar boas risadas de quem assiste. Tudo completamente fora de ordem e que apesar da exagerada histrionice, vale a crítica sobre a febre que o Orkut alcançou em 2004. Nos dias de hoje a popularidade é do Facebook que perfeitamente se encaixa no conteúdo analítico proposto.

Se você alguma vez já conseguiu rir em se achando ridículo em alguma situação de vida, então tem o humor necessário para encarar esse desastre cinematográfico.

3 Comentários até agora.

  1. Tania disse:

    rsrs…bem humorado deve ser mesmo. Deu vontade de ver. bj

  2. Vera Menezes disse:

    nem acredito, vindo de você…..rs

  3. Tony disse:

    Filme muito engraçado mesmo, adorei!