O Dia de todos os dias Mulher

Fiquei quietinha no dia 8 de março. Nem agradeci aos que me enviaram felicitações. É porque congratulações pelo Dia da Mulher me arrastam para uma série de dúvidas. Aproveito para agradecer as manifestações mesmo com uma certa incompetência por não saber aproveitá-las plenamente.

A questão é que sempre me entendi uma Pessoa. Mulher também, mas como um segundo vagão do vasto comboio da existência. Tenho a impressão que essa tal de evolução histórica muito silenciosamente e de forma dissimulada, mais tirou que nos beneficiou. Lutamos, bravamente, para sermos valorizadas enquanto Mulher. Conseguimos nos segmentar do genérico conceito de Pessoa. Depois, nos repartimos infinitamente: loiras, morenas, magras, gordas, altas, baixas, “cabeças”, “patricinhas”, negras, pardas, brancas, asiáticas, travestis, intelectuais, fúteis, transexuais, bem humoradas, lésbicas, donas de casa, executivas… Nos tornamos mulheres aos pedaços, mulheres retalhadas. Tantas repartições sempre fomentam sindicatos, filiações, representatividades. Precisamos nos unir aos pedaços com os quais nos identificamos. Sãos os adjetivos medindo forças com o substantivo. O que é mais frequente do que imaginamos: todas nós já nos surpreendemos com alguma atitude que nem imaginávamos capazes. São só manifestações das partes que somos.

Na verdade eu gosto mais da pessoa que existe em toda mulher. Culturalmente a mulher é muito submetida, inclusive à liberdade. A pessoa ainda consegue escapar, com alguma flexibilidade, dos ditames culturais em que estamos mergulhadas. Gosto da liberdade de expressão das pessoas, que nem sempre as mulheres a ela recorrem. Gosto de ter espaço e circular nele. Abrir os braços e conferir as possibilidades.

Ando pelo mundo com a certeza de ser uma pessoa, e assim, aprendendo com os meus erros e meus acertos, como é da responsabilidade do gênero humano.

Gosto de superlativos. E o mais alto grau de uma mulher é se reconhecer pessoa, sempre maravilhosa, desfiando a sua vida para além das muralhas que restringem o gênero.

Um Comentário até agora.

  1. Tania disse:

    Digno de ser publicado em jornais e outdoors! Que ótimo retorno à rede. Um beijo orgulhoso.