Nas águas em que o tempo flutua…

 

 

 

Por coerência ao assunto o título deveria ser “O DETETIVE DO PASSADO E SUA VIAGEM ALÉM-MAR”, pois este é o livro que divulgo aqui com o sentimento de quem festeja o resultado de um trabalho que pude acompanhar desde o início, quando nem mesmo as ideias se alinhavavam no sentido de um projeto. Acompanhei o Autor às vezes de muito perto, outras vezes nem tanto, mas sempre reverenciei os progressos e as surpresas que o Autor compartilhava de tempos em tempos.

E agora, obra lançada ao mundo, eu fico na dúvida se eu gosto do livro ou se foi a admiração pelo Autor que se impregnou no meu sentimento com relação ao livro. Sem dúvida é o tipo de temática que a minha ignorância não valoriza na medida do que seria justo. Afinal, não entendo de Genealogia e deixei de perceber em profundidade uma série de inovações, sobretudo no que diz respeito à sistematização de dados, que especialistas poderão reconhecer e agregar valor ao meu entusiasmo genuíno. Mas eu gosto de histórias e o livro conta uma história – ou várias histórias – que me fez viajar na respiração de cada um dos personagens. Personagens que não surgiram da capacidade imaginativa do escritor, mas pessoas reais, inscritas no antepassado do Autor e que contribuíram para a Historia do Brasil. Impossível não reconhecer a seriedade da pesquisa e a tenacidade de quem se embrenhou em desafiar o esquecimento histórico.

O livro está aí para degustação dos interessados. Quem quiser adquiri-lo na versão impressa em pré-venda poderá entrar em contato com o Autor por e-mail (diderotcl@gmail.com). O livro também está disponível no formato eBook (livro digital) e pode ser obtido pelo site da Amazon (www.amazon.com.br) no link a seguir:

http://www.amazon.com.br/gp/product/B00ZYSFZQC?*Version*=1&*entries*=0.

Abaixo transcrevo as minhas impressões após a conclusão da leitura na sua versão final:

Buscar na arquitetura dos antepassados os fatos que iluminam as suas origens ao tempo em que desvendam a história da ocupação ao sul do Brasil, foi a aventura empreendida pelo Autor iniciada na necessidade de se conhecer um pouco mais.

Tudo começou com a simplicidade de reunir as fotografias que ocupavam espaço no fundo das gavetas em álbuns empoeirados. A um determinado momento as imagens e as datas que o Autor dispunha não bastavam para apascentar o seu interesse em examinar o fluxo do rio até o mais próximo da sua cristalina nascente. E o Rio Mampituba é personagem imponente que aproxima “catarinas” e “gaúchos”. Foi então que a pesquisa científica se impôs de forma dedicada – se não obsessiva – por uma década. A experiência adquirida nesse tempo, conforme relata o Autor, alcançou níveis inusitados que ultrapassaram as fronteiras geográficas influenciando a sua percepção da vida, com especial atenção à forma como se dá a interação do ser humano com o meio em que vive.

Trata-se de um livro libertário na medida em que rompe com as limitações geográficas que com alguma frequência influenciam determinados autores ao restringirem seus trabalhos a uma localidade específica, muito em função da fonte de subvenção a que se aplicam. Neste caso, todos os esforços – emocionais e financeiros – foram custeados pelo Autor e disponibilizados ao interesse dos estudiosos no aprofundamento do trabalho que, por natureza, nunca se esgota. Libertário porque também permitiu, ao longo da caminhada, enriquecer conhecimentos que possibilitaram ao Autor estudar mecanismos científicos que melhor se ajustaram à ordenação do vasto conteúdo obtido. Aprender para além dos princípios básicos de Genealogia e identificar dentre os programas tecnológicos existentes o mais adequado ao volume de informações existentes, são dois aspectos indicativos do empenho e determinação requeridos à realização.

Por tratar-se de uma busca investigativa dos familiares do Autor, pode sugerir que a importância do livro esteja limitada a um estreito círculo individual. No entanto, tal interpretação não se sustenta. Até neste ponto o livro é libertário, pois permite uma viagem histórica dos pioneiros portugueses que se fixaram às margens do Rio Mampituba, povoando e fazendo a História da região. Todas as informações, minuciosamente registradas com as respectivas fontes, permitiram atualizar de forma corretiva alguns equívocos históricos propalados até antes da pesquisa documentada pelo Autor. Fatos históricos ganham intensidade quando a narrativa se desprende do anonimato e passa a situar pessoas com nome, sobrenome e, sobretudo, quando realizamos que os protagonistas estão associados geneticamente a uma pessoa que se dedicou a resgatá-los do esquecimento que enfumaça todas as histórias.

Dentre as muitas qualidades do livro, não se pode omitir a forma instigante com que o leitor é desafiado a, minimamente, olhar para trás e se perguntar sobre os episódios históricos vivenciados por seus antepassados e que ficaram perdidos na velocidade exigente do tempo, ansioso por modernidades…

Um Comentário até agora.

  1. Tania disse:

    Oba, vou ler e compartilhar o link com meus amigos.
    Toda boa sorte ao autor.
    Beijo
    Tania