Caixa de Pandora

Caixa de Pandora

Meu Caro Amigo,

Estava buscando uma imagem que pudesse sintetizar o ano de 2017 para que você tivesse uma vaga ideia das coisas por aqui. Fui indo até chegar na Grécia, bem antiga, e me dei conta que a Vida é muito feminina e em si a mesma curiosidade que levou a velha Pandora a abrir a caixa cujo conteúdo lhe fora proibido conhecer. Como reza a mitologia, uma vez aberta a caixa todos os males foram espalhados na Terra, cabendo à esperança neutralizar o arsenal das desgraças alastradas no mundo.

Pronto!! Identificada a analogia ficou fácil juntar os fios que justificam a correspondência. A morte rondou a minha vida e cravou dois episódios: um no primeiro dia do ano e outro no último mês. É… O amor ficou mesmo entrelaçado com o luto… aqui no meu quintal e em tantos outros longínquos lugares, muitos deles orquestrados nos mais de vinte (20) atentados terroristas pelo mundo.  Evitei verbalizar o famoso “não falta acontecer mais nada” porque os acontecimentos seguintes conseguiam superar a decepção com a qualidade humana depreciada por nós. A cada dia ficou mais e mais difícil imaginar a procedência do novo escândalo, e o perigo sempre esteve na aniquilação da capacidade de nos indignarmos. Apesar de tentar resistir me sei mais triste, mais medrosa, mais silenciosa, mais dentro de mim mesma querendo jogar no lixo a chave do cadeado.

Mas as dificuldades sempre dão duas opções aos indivíduos: ou a pessoa se suicida, ou recolhe todos os estilhaços e se reconstitui na medida que lhe for possível. Do meio do ano para cá estou atrás da informação com relação ao índice de suicídios no Brasil e no mundo. Hoje desisti de buscar este dado e até concordo que ele não deva ser publicado, pois certamente assustaria a sociedade e pior, incentivaria uma larga escala de indecisos a consumarem o fato. Suicídios estão muito ligados ao assédio moral e não por coincidência foram inúmeras as reportagens sobre bullying, sobre dependência alcoólica, sobre drogas destrutivas, sobre a maternidade de crianças. Não raro foram as vezes em que me senti extremamente envergonhada: vergonha de mim mesma por sentir a minha existência entrincheirada num paredão sem conseguir transpô-lo; envergonhada por atos que não pratiquei, mas que me associavam à mesma espécie daqueles que os praticaram. Definitivamente a Vida abriu, sem nenhuma cerimônia, a Caixa de Pandora. Restou para alguns a esperança.

Me salvei porque permiti que as pessoas entrassem pela fresta que consegui manter na difícil interação com o mundo. Enorme gratidão por todos que me deram condições de sobrevivência. Uma lista enorme: agradeço aos que me deram a confiança de discordar deles e seguirmos mais próximos; agradeço aos que me deram a oportunidade de buscar novas alternativas de sustento; agradeço aos que me enviaram por WhatsApp mensagens de bom dia que foram irretocáveis em determinados momentos; agradeço os telefonemas daqueles que queriam saber de mim; agradeço aos que estão distantes mas que sabem preservar as boas relações; agradeço os reencontros que aqueceram meu coração; agradeço aos que me outorgaram uma saudade definitiva que me fará sempre querer homenageá-los, tal qual tento a cada ano com relação a você; agradeço os encontros casuais que me ofereceram um sorriso e que também me fizeram sorrir; agradeço às coisas que de alguma forma tiveram fim e que foram porta-de-entrada para outros princípios…. Agradeço tanto a tantos….

Pois é, meu Amigo, a Caixa de Pandora foi aberta em 2017. Agora é conjugar razão e emoção (esperança) fortalecendo sentimentos que nos façam reconhecer a dignidade nos outros e em nós.

Um forte e carinhoso agradecimento,

5 Comentários até agora.

  1. renato menezes disse:

    Faz-se necessário dizer adeus às mazelas e aos sofrimentos, a tudo que causou decepção, à negatividade, aos momentos de sofrimento, às memórias ruins, ao pensamento de que o próximo ano será igual e de que nada vai mudar, para deixar entrar a esperança, o otimismo, as alegrias, as maravilhosas possibilidades, sonhos e oportunidades que esperam por Vc, por nós, em 2018!

  2. Diderot Lopes disse:

    No meio de raios e trovões você ainda achou um caminho para agradecer aos “outros”. Um forte abraço!!

  3. Tania H R Salgueiro disse:

    Como sempre, na medida. Obrigada por tudo. Bj

  4. Monica Barros Coutinho disse:

    Seus textos sempre me emocionam! Um ano difícil, em muitos momentos parecia que só trazia perdas… Mas ter o dom de ver o bem que se recebe e sentir gratidão, faz o encontro com a esperança!

  5. Vera Menezes disse:

    Às vezes reconhecer com gratidão tantas coisas que a vida nos oferece faz um bem danado. Tenho certeza que você sabe fazer isto com maestria. Forte abraço!