• Saltaram dos livros e vieram para cá

    Daniel Galera

    Quando eu li “Barba Ensopada de Sangue” Daniel Galera não me era totalmente desconhecido uma vez que “Até o dia em que o cão morreu” inaugurou e me incitou a querer confirmar minhas impressões sobre o autor. A primeira vez que ouvi falar em Daniel Galera foi no Podcast do Antônio Fagundes “Clube do Livro” (bom demais! Claro: saiu do ar…) e o título já me deixou curiosa. Daniel Galera nasceu em São Paulo, mas é gaúcho de tempo vivido em Porto Alegre (até parece que estou abrindo uma janela nas minhas leituras para a ponta sul do país… inclusive o “Barba Ensopada” faz referência a Torres a partir de…

  • Saltaram dos livros e vieram para cá

    Rabiscando na Areia

    Em 2019 eu recebi o livro “Rabiscando na Areia’ que me foi presenteado pelo autor com uma dedicatória simpática e humilde. O autor, Bento Barcelos da Silva, não o conheço pessoalmente mas dele me foi transmitida admiração a partir de um comentário aqui, outro ali, por parte de quem expressou privilégio de o ter como amigo. Quando terminei a leitura do livro me veio a nítida impressão de que escrever é a tarefa mais fácil do mundo. E, convenhamos, um autor que consegue nos passar essa sensação é digno de todo respeito por ser detentor de um mérito que para mim é fundamental: clareza na exposição de suas ideias. O…

  • Saltaram dos livros e vieram para cá

    Aprendizagem – ou Caderninho dos erros e acertos

    Quando o telefone tocou não eram nem oito horas da manhã. Entendi que a situação era urgente: do outro lado da linha as palavras não fluíam com naturalidade e a respiração curta indicava que o ruim havia acontecido e que o pior poderia se estabelecer rapidamente. Vesti a primeira roupa que encontrei naquela parte do armário que reúne as autorizadas ao convívio social , engoli o café sem a dose necessária de açúcar, peguei as chaves e rompi o isolamento atravessando ruas, avenidas, túneis, viadutos, bairros, até chegar no endereço da voz que falava em sílabas entrecortadas de vazios pela falta de ar que estufava o peito em intervalos muito…

  • Saltaram dos livros e vieram para cá

    Um Tema, Dois Autores

    Recentemente terminei a leitura de dois livros ambientados no período em que o AI5 foi instituído no país. Período certamente bastante triste da nossa história, quando a violência assumiu proporções capilares devastadoras, tanto no que diz respeito ao número de mortos e a forma pela qual tais mortes ocorreram, quanto no que diz respeito ao cerceamento de informações e à quantidade de fake news em verde e amarelo brilhantes que a militarização ofereceu ao povo. Os dois livros foram escritos em 1988 e mencionam os mesmos fatos históricos. O primeiro que li foi do Zuenir Ventura (“1968 – O Ano que Não Terminou”) e se atém aos fatos com matizes…

  • Saltaram dos livros e vieram para cá

    Nas águas em que o tempo flutua…

          Por coerência ao assunto o título deveria ser “O DETETIVE DO PASSADO E SUA VIAGEM ALÉM-MAR”, pois este é o livro que divulgo aqui com o sentimento de quem festeja o resultado de um trabalho que pude acompanhar desde o início, quando nem mesmo as ideias se alinhavavam no sentido de um projeto. Acompanhei o Autor às vezes de muito perto, outras vezes nem tanto, mas sempre reverenciei os progressos e as surpresas que o Autor compartilhava de tempos em tempos. E agora, obra lançada ao mundo, eu fico na dúvida se eu gosto do livro ou se foi a admiração pelo Autor que se impregnou no…

  • Saltaram dos livros e vieram para cá

    Sobre “Queria Ver Você Feliz”

    Adriana Falcão dispensa as apresentações com base no vasto currículo ligado à arte de escrever. Seu mais recente título “Queria Ver Você Feliz” (Geração ePub – Intrínseca – 2014) chama atenção por vários aspectos. Um deles me trouxe a hipótese de estar na herança genética o talento para a escrita. Digo isto já que o livro em questão trata-se de uma compilação cronológica das cartas trocadas entre seu pai e sua mãe desde antes de se casarem. São cartas intensas, urgentes. Cartas dramáticas que vibram a dependência que qualquer ato de entrega pressupõe. Um enredo psicologicamente emaranhado na negação de tudo que possa ser definido como politicamente correto.  Apesar de…