• Uma canção na estrada

    Tudo que eu sempre sonhei….

    Desanimou? Desanimou em qual parte? Olhando por qual ângulo? Com qual intensidade? Hum… Recomendo um banho de chuva. Tipo de coisa que se faz aos três, aos trinta e aos sessenta anos de idade, sem que isso signifique que se faça à vida inteira. Tem certos momentos na vida que você tem que fazer ao menos uma coisa, de preferência uma das bem simples sem ser corriqueira, daquelas feitas por você mesmo quando você era um outro mesmo de você. Vamos dizer que seja uma pós-graduação da experiência de quando se lê o mesmo livro dez anos depois da primeira leitura, ou quando o mesmo filme é revisto a tempo…

  • Uma canção na estrada

    Uma canção para final de 2011

    No final de 2009, deixei aqui esta mesma música como um cartão postal do ano e uma espécie de conselho para 2010. Bom, depois de dois anos ainda me parece coerente relembrar esta canção, com arranjo e interpretação diferenciados, que mais ou menos, refletem a passagem do tempo. Da suavidade masculina à emoção arranhada da voz feminina; das palavras que deslizavam e agora cortam e se espalham em sentida contemplação da vida. Permaneceu a beleza do tom melódico e a verdade narrativa da experiência. Os coeficientes de vida variaram em dois anos, mas permaneceu o princípio básico: a respiração. Talvez fraquinha, como a delícia de um sopro nas tardes quentes…

  • Uma canção na estrada

    Tiê – Para Alegrar o Meu Dia

      Tiê lança o seu segundo disco “A Coruja e o Coração”. Descoberta por Toquinho e Dudu Tsuda em um brechó/restaurante em São Paulo (Café Brechó), o primeiro trabalho “Sweet Jardim” (2009) rendeu uma indicação à categoria Revelação do Prêmio Multishow 2010. O clip abaixo “Pra Alegrar o Meu Dia” é uma das músicas do “A Coruja e o Coração”. Para espantar o frio por aqui, uma canção alegre de movimentar o corpo e as idéias….

  • Uma canção na estrada

    Visões

    A noite ia alta e eu assistindo a transmissão do Stevie Wonder se apresentando do Rock In Rio. De repente os acordes iniciais (lindos) me transportaram para um tempo iluminado com a mesma emoção que me arrebatou a fotografia do filme “A Árvore da Vida”. Um tempo que estava adormecido em uma das curvas da memória; espaço que a visão não alcança na reta que a antecede. E foram lembranças que sorriram para mim em detalhes sutis que vieram em refrescantes marolas brincando com os pés em uma tarde de verão. Foi um tempo vivido na época da universidade. Quando as escolhas não eram definitivas e a generosidade da vida…

  • Uma canção na estrada

    Marina Lima – Clímax

      Marina Lima lança seu 19º trabalho – Clímax – com doze faixas inéditas, assinadas por ela ou por ela com parceiros. Única exceção é a faixa Call me, de Tony Hatch. Como de costume, amor e relacionamentos são os temas das letras. A lista de convidados do álbum conta com Vanessa da Mata (faixa incluída abaixo – A Parte que Me Cabe), Karina Buhr, Edgard Scandurra e Samuel Rosa. O instrumental das canções se divide entre o orgânico e uma eletrônica discreta. Tudo bem dosado, quase minimalista. “Os meus arranjos nunca são muito cheios. Gosto do vazio, do silêncio, da pausa”, afirma a cantora. O território é familiar dentro…

  • Uma canção na estrada

    Joana Duáh

    Brasília não é celeiro exclusivo do rock: tem gente muito boa de outros gêneros. É hora e vez de  Joana Duáh  conquistar o seu espaço – com muita legitimidade – nos circuitos que distinguem as grandes intérpretes. Brasília, mais uma vez e com muito orgulho, vai ser referência de origem dessa intérprete de voz macia que já passou pelo pop-rock-reggae e que agora namora o samba. E é samba da melhor qualidade o que ela nos oferece no seu primeiro CD “Dá Licença“. Joana Duáh já tem trajetória nacional e internacional que nos garante tratar-se de uma estrela de primeira grandeza. Assim, muito em breve, terá que substituir os espaços…