Sentimentos acontecem dos fatos

Processo Evolutivo

Tiro o pigarro da garganta, ajeito os óculos que escorregam na oleosidade da transpiração. Olho na direção da minha ansiedade, mas o ônibus não aparece e eu fico andando de um lado para outro na parada vazia, num domingo que deveria ser carimbado ao lazer. Os carros passam e me lembro do automóvel vendido, que mesmo velho, me levava de lá pra cá e vice-versa. Mas a gasolina estava cara demais e tive que aprender os sabores de compartilhar um veículo com tantas outras figuras, e os dissabores de esperar os ônibus que nunca chegam no tempo da nossa necessidade.

Quando eu perdi o emprego para um jovem, cujo padrinho fez de tudo para me convencer que essas situações são mais significativas que os anos de experiência que acumulei, eu sorri alguns minutos depois do “tijolo” ter caído na minha cabeça. Apadrinhamentos são facas afiadas demais que sempre deixam tensa quem delas faz uso. Anos depois, entendi que aquele meu defenestrar me trouxe oportunidades fantásticas a que eu nunca teria inserção se estivesse até hoje acumulando experiência dentro de uma dignidade pagã. Desobrigado do ofício repetido anos a fio, me dei conta que o mundo é grande e as opções são sempre bem maiores que as oportunidades de experimentá-las, todas.

Estava casado até o dia em que me vi arrumando as malas, procurando onde ficar, porque a minha mulher teve certeza que ela havia cometido um erro no processo seletivo dos seus sentimentos. Como é comum nesses casos, ninguém chega junto nessas verdades definitivas e essa diferença de tempo sempre traz grandes desgastes – individuais, ou a dois, ou coletivos. No exemplo, fui eu quem demorou a entender que em se tendo em conta o número de habitantes desse planeta, as possibilidades de entrosamento com uma quantidade incalculável de pessoas é até injusto quando penalizamos alguém com a responsabilidade – que não é dela – de ser “a escolhida”. Os entendimentos a partir da percepção de novos ângulos da realidade me deram conta que foi naquele aparente abandono a oportunidade de rever muitos equívocos que estavam agarrados na minha personalidade. A certeza de outra pessoa, interferindo radicalmente nas minhas convicções, foi o salvo-conduto autorizado pela tristeza me permitindo chegar à compreensão de muitos aspectos que sem a separação seriam de difícil acesso na pessoa que me tornei.

Posso enumerar tantas outras circunstâncias que acontecem com frequência na vida de qualquer pessoa cavando sulcos profundos na alma, por onde escoam os sonhos desfeitos, as certezas equivocadas que nos engordam na poltrona da eternidade, aquelas distorcidas convicções do sentido de felicidade. Pois é…. Certamente você sabe bem do que eu estou comentando. Pode até sentir, mesmo depois de tanto tempo, o quanto foi dolorido, triste e como a vida foi centrifugada e depois embrulhada na ausência de sentido que a inexistência de energia conseguiu escurecer o seu olhar. Não. Você não é mais especial que qualquer outra pessoa por ter passado por situações com essa grandeza revolucionária. Afinal, você avançou, superou, evoluiu. Pode até ser que ainda hoje, depois de tanto tempo, ainda precise filtrar do seu sangue alguma mágoa inadvertidamente retida pela tendência de se ver como vítima, seja do destino seja de si mesmo. Mas apesar dessa possibilidade, você está aí, cicatrizado ou renovado, espiando os dias que nascem e se põem cheios de novidades.

Não se iluda. Todo processo evolutivo decorre de uma explosão das temporárias certezas. Chegam com a estridência de um suspiro e completam o ciclo quando você se entusiasma na construção de um novo ciclo que, com um pouco de sorte, irá igualmente explodir em novas perspectivas. Achava o quê? Que tudo poderia caminhar com suavidade e que por um sorridente caminho você avançaria desfrutando conexões firmadas pela alegria para o entendimento do mundo a partir das muitas hipóteses sobre você mesmo? Você, lá no fundo, sabe que não é assim. Então não perca tempo.

Desejo que você se exploda muitas e muitas vezes. Se reconstitua cada vez mais leve e que seja hábil na identificação de novos caminhos.

4 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *