Sentimentos acontecem dos fatos

Os diamantes enfim chegaram…

brilhante

Esta virada de ano trouxe três brilhantes para perto de mim. Naturalmente fiquei me questionando o significado dessa aproximação e também, naturalmente, não cheguei a nenhuma conclusão, nem científica nem emocional. Estou convivendo com os brilhantes esperando alguma generosidade por parte deles. Quem sabe eles possam deixar mensagens inequívocas dos reais motivos de terem se alojado na minha vida neste momento.

O primeiro me chegou no olhar de um gato: um chaveiro no formato de um gato preto cujos olhos são dois brilhantes de alta expressividade. Certamente coloquei as minhas chaves de casa nele, mas foi impossível  deixá-lo afastado da minha mesa de trabalho. Volta e meia me deparo com aqueles olhos inquisidores me demandando explicações sobre coisas que nem havia me dado conta que deveriam ser explicadas.

O segundo, eu busquei sem saber que o trazia para perto de mim. Não foi o brilhante a prioridade do meu desejo, inclusive só fui notar a sua existência algum tempo depois. Vi uma carteira roxa e bastante diferente numa vitrine e me apaixonei por tudo de pouco convencial na sua personalidade. Em um dos lados o contorno de um gato estilizado com um brilhante na cauda. E aqui já temos a duplicação de um símbolo bastante inquietante…

O terceiro brilhante percorreu longa estrada até estabelecermos uma relação. Um isqueiro prateado onde pende uma correntinha em um dos pontos da circunferência com um brilhante na extremidade. Quando entrou na minha vida fui obrigada a uma pausa de cinco segundos para proferir um manifesto: “Muito bem, muitas evidências. Alguém pode agora fazer a decodificação?”. Certamente ninguém me trará respostas a todas as investigações que a minha alma sugere, o que nunca me impediu de formular perguntas….. apenas como método.

Estes são os fatos: inclusão inusitada de dois gatos e três brilhantes na minha vida num intervalo de tempo bastante curto. Do gato, devo entender uma série de características que se distinguem radicalmente da minha personalidade: um quê de sutileza, leveza, atenção calculada a determinados propósitos, habilidade em prescrutar diferentes espaços, e sobretudo aquela independência transmitida de forma tão acintosa que com muita facilidade acreditamos que é verdadeira. Minha natureza mora no outro lado deste hemisfério: tenta tirar todas as peles que revestem a realidade, mesmo que sangre e doa a nem sempre alcançada transparência das intenções. Não me apresentem nenhum itinerário que signifique conhecer vários lugares em curto espaço de tempo, sou do tipo que finca o pé num determinado ponto e me surpreendo com as incansáveis descobertas em olhar o tempo todo para um único cenário. Independente? Sentido traiçoeiro demais para que eu me atire. Fico mais é lustrando todas as minhas dependências, sorrindo para elas, agradecendo o fato delas me impedirem enlouquecer nos sombrios labirintos que a liberdade ardilosamente oferece aos que por ela são seduzidos. Portanto, quanto aos gatos é vasto o repertório do muito que posso aprender com eles.

Sobre os brilhantes, tenho que alcançar primeiro o pleno sentido do diamante para entender porque a lapidação fez com que ele me chagasse na forma de brilhantes. De evidente é o fato de brilharem. Brilhar é multiplicar luminosidade. Iluminar é permitir a visibilidade. Visibilidade é estágio latente de conhecer. Conhecer é procurar vínculos. Vínculos são estabelecidos para que mesmo se a transitoriedade é a determinação do existir? Danados demais esses brilhantes que se puseram em caravana na minha direção… E exigem, abusados, que eu os entenda com alguma rapidez porque o tempo é curto…. Talvez seja isso: estão aqui para me dizer que o tempo é muito curto…. Mas o que mais me impressiona é conviver com eles dessa maneira avassaloramente não entendida e ter a certeza íntima que com relação a eles a recepção é: “Enfim vocês chegaram…”.

Um comentário

  • Tania

    Então… sobre a imagem felina, uma surpresa, de fato. Torço para 7 vidas, 7 recomeços, e 7 vzs 7 coragens! Os diamantes, são fáceis… a simetria sempre te atraiu, querida. Facetas lapidadas em janelas multiplicadas…sua cara…rs. Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *