Sentimentos acontecem dos fatos

Habemos Presidenta

bandeira

Ontem anoitecemos com o resultado confirmado. O que já evidencia uma excelente capacidade de processo, pois no mesmo dia da votação conseguimos apurar os votos da quase totalidade das urnas, identificando assim a quem pertence o comando do País e de alguns estados de segundo turno. Quando no nosso cotidiano dizemos “segundo turno” nos referimos a trabalho adicional. É preciso que a Presidenta eleita não se esqueça disso: o Brasil é sim um país que exige trabalho adicional, mesmo porque a vencedora arrecadou 55 milhões de votos (56%) contra 43 milhões (44%) do adversário.

Às vezes esquecemos que o nosso voto, a nossa opção, não é pela pessoa que assume os holofotes pedindo voto, mas sim pelos partidos políticos e o que eles representam. Mas isso se confunde e muitas vezes ouvimos “Dilma é durona” ou “Serra não é simpático”, deixando de avaliar o programa de governo proposto pelo PT e pelo PSDB. E essa análise fica mais difícil quando os dois partidos políticos estabelecem alianças com outros partidos para se fortalecerem, sem sabermos, exatamente, o grau de concessões ideológicas (ou acordos abjetos) que decorre de tais uniões de propósitos.

Acompanhamos as inúmeras promessas dos candidatos, querendo nos dar a certeza que cada um deles detinha o caminho eficaz para um Brasil com mais de 135 milhões de votantes, nessa população superior a 191 milhões de brasileiros. Se ambos desejavam a mesma coisa – o bem do Brasil: crescimento econômico e prosperidade do povo – o resultado das eleições define “situação” e “oposição”. E assim é posto desde sempre… Sem esquecer, então, que a oposição irá governar uma quantidade significativa de estados, incluindo os dois maiores colégios eleitorais do País (SP e MG). O que nos apresentaram ao longo da campanha foi uma sucessão de acusações com muito destaque para a corrupção nos mais diferentes níveis. As denúncias assumiram em grande proporção o espaço em que esperava receber idéias, alternativas, propostas, para fazer deste o País assentado no meu orgulho de nação. O “orgulho de ser brasileiro” ficou um pouco sem oxigênio frente a tantas acusações e tentativas de desmoralizar os adversários. Mas não posso esquecer que todos os acusados foram eleitos por voto direto, portanto responsabilidade de todos os eleitores, incluindo os que votaram contra os eleitos. Esse é o país que escolhemos, que construímos com o nosso voto. Sou responsável pelo resultado, independente da minha opção registrada em urna.

Sra. Dilma Vana Rousseff, conduza o PT e as suas alianças de tal forma que o povo possa colher, desfrutar, do enorme investimento em esperança que permitiu entregar à senhora a chave de nossa casa.

3 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *