Sentimentos acontecem dos fatos

As Crianças que Conseguem Crescer

mãos

E a Aninha, a Paulinha, a Marcinha, a Clarinha, a Flavinha…?

São mulheres, jovens mulheres, no salto dos seus vinte e poucos anos! Cresceram, sem dúvida nenhuma, cresceram!

É sempre assim: quando eu ergo a cabeça da poeira levantada pelos meus passos, o tempo sempre surpreende. Enquanto elas cresciam, nós maturávamos as preciosas coleções de perdas e ganhos que passamos a acumular na idade que elas hoje experimentam. Quer dizer então que ao rever qualquer uma, será impossível fechar a minha mão cabendo com largueza mãozinha e pulso de um tempo desprovido de memória para elas. Hoje estão aí, construindo lembranças que serão referências das histórias que conseguirem buscar com as próprias mãos.

Será que aquela que sempre ao ver uma plantinha prontamente a arrancava e vinha correndo nos mostrar, se tornou bióloga? E a outra que ainda bebê não parava de falar, numa linguagem indecifrável, se tornou a poliglota que ousávamos invadir numa perspectiva futura? E aquela, sempre tímida, mas extremamente observadora, hoje desenvolve teorias filosóficas que tentam explicar a transitória condição humana? Aos vinte e poucos anos existe uma natural fome de vida e uma ilusória sensação de imortalidade. É quando os sonhos e os hormônios fazem a vida parecer um céu azul de possibilidades. As chuvas só acontecem depois dos trinta….

As crianças que vimos nascer enfim cresceram….  cada uma a seu modo, saboreando o mundo. Então vamos agora ajeitar os nossos óculos e os nossos sorrisos: essas jovens têm muito a nos ensinar. Precisamos aproveitar esse tempo, pois com a mesma surpreendente rapidez com que cresceram, elas irão se tornar senhoras sem qualquer possibilidade de desfrutarmos desse convívio …

Um comentário

  • Tania

    O tempo, não é? Sempre o tempo. Sempre de mãos dadas com a vida. Nunca sabemos quando vão dar o sinal e descer, paradas definitivas ou pontuais, como a que vc cita quando ergue “a cabeça da poeira levantada pelos meus passos, o tempo sempre surpreende”…
    Eterno recomeçar. Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *